Museus, formação em museologia e campo digital

os usos do Instagram pelas exposições curriculares dos cursos de Museologia da UNIRIO no contexto da pandemia de COVID-19

  • Júlia Nolasco Leitão de Moraes Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Resumo

Na perspectiva de uso cada vez mais ampliado de tecnologias digitais em rede e de sua infiltração no cotidiano de diferentes populações e instituições, é importante refletir e debater sobre os desafios e possibilidades que o campo digital traz aos museus e a sua relação com diferentes públicos. A pandemia de COVID-19 escancarou a urgência da Museologia, dos museus e de seus profissionais se reposicionarem diante dos fluxos digitais contemporâneos, reconhecendo que as transformações ensejadas transbordam o ciberespaço, alterando dinâmicas relacionais empreendidas também em espaços geolocalizados e/ou em contextos híbridos. Os Cursos de Museologia precisam estar atentos e participar desse debate, investindo na formação de futura(o)s museóloga(o)s conscientes e sensíveis a compreender e firmar seu papel nesse cenário. Este artigo pontua o uso do Instagram como meio para interlocuções das primeiras duas exposições curriculares dos Cursos de Bacharelado de Museologia da UNIRIO atravessadas pela pandemia de COVID-19 e o ensino remoto. Para tanto, assinala o encontro entre cultura digital e Museologia no que diz respeito mais diretamente às problemáticas da comunicação museológica e, na sessão seguinte, apresenta os usos feitos do Instagram pelas referidas exposições. Admite-se a necessidade de superação de deslumbramentos e receios que emergem da adoção de tecnologias digitais em rede nos museus, a fim de que se possa utilizá-las como instrumentos alternativos voltados à promoção e fomento à diversidade de expressões dos patrimônios, da inclusão e da participação dos públicos junto a tais instâncias iminentemente relacionais.

Publicado
2022-06-20
Seção
Premiados do ENANCIB