Conceituação de objetos de fronteira

o papel das culturas epistêmicas

  • Nina Gomes Sobral Barcellos D'Almeida Universidade Federal Fluminense (UFF)
  • Linair Maria Campos Universidade Federal Fluminense (UFF)

Resumo

A revolução da tecnologia da informação e da comunicação, em um contexto globalizado, fomenta o trabalho cooperativo entre diferentes comunidades e agrega componentes interculturais às pesquisas interdisciplinares. Esse cenário envolve o uso de objetos compartilhados, além de diferentes linguagens e significados. O trabalho tem objetivo de explicitar, respeitando a existência de diferentes pontos de vista, a relação entre os objetos de interesse comum e as comunidades envolvidas em trabalhos cooperativos com esses objetos, de modo a colaborar para a representação do conhecimento em contextos que envolvam pelo menos duas comunidades distintas. A pesquisa é classificada como qualitativa, exploratória, foi realizada através de levantamento bibliográfico, utilizando a técnica de Análise de conteúdo e a estratégia de cultivo das pérolas para a seleção e tratamento do material selecionado. Como resultado, o trabalho apresenta um mapa conceitual que explicita as características dos objetos que são compartilhados entre diferentes comunidades, a partir do reconhecimento e representação de diferentes pontos de vista envolvidos em sua conceituação. Compreendemos que a Teoria do Conceito de Dahlberg e a Teoria dos Objetos de Fronteira podem ser uma possibilidade de caminho para se reconhecer e representar diferentes compreensões de objetos compartilhados entre comunidades para a produção e partilha do conhecimento.

Biografia do Autor

Nina Gomes Sobral Barcellos D'Almeida, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Doutoranda Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal Fluminense.

Linair Maria Campos, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal Fluminense.

Publicado
2022-06-01
Seção
Premiados do ENANCIB