Decolonizando a organização do conhecimento

um olhar do periódico Knowledge Organization (2000-2020)

Palavras-chave: Decolonialidade. Organização do Conhecimento. Publicação científica.

Resumo

O enfrentamento de lógicas colonizadoras hegemônicas existentes que promovem a violência epistêmica e a injustiça social é um movimento que precisa ser consolidado no campo da Organização do Conhecimento. Para que a pluralidade de saberes seja debatida no âmbito da organização do saber, é preciso adotar uma postura decolonial, ou descolonizadora. Para isso, o objetivo deste estudo é investigar como e se a descolonização tem sido abordada nos estudos de organização do conhecimento internacionalmente. Nas publicações da revista Organização do Conhecimento, buscamos artigos que discutissem os processos de descolonização no contexto da organização do conhecimento, a fim de verificar como é possível construir caminhos em prol de uma organização descolonizada do conhecimento. O corpus de análise deste estudo foi constituído por seis artigos que explicitaram terminológicamente em seu conteúdo expressões relacionadas à descolonização e à descolonização. Foi possível observar que a descolonização, segundo as publicações da Organização do Conhecimento, vem ocupando espaço e sendo fruto de pesquisas que propõem os desafios de instrumentos e processos descolonizadores no campo profissional e epistemológico, apesar do uso explícito de termos como como a descolonização, a decolonialidade ou a descolonização ainda serão reduzidas.

Biografia do Autor

Dirnele Carneiro Garcez, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação em Administração (UNIASSELVI). Mestra e Doutoranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (PGCIN-UFSC)

Rodrigo de Sales, Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Publicado
2022-05-21
Seção
Premiados do ENANCIB