Discursos Autorizados e Patrimônios Dissonantes

decolonizando a Memória Cultural

Autores

  • Ieda Pelógia Martins Damian Universidade de São Paulo
  • Giulia Crippa Università di Bologna

Palavras-chave:

Patrimônio Dissonante, Memória., Decolonialidade, Lidio Cipriani, Vittorio Bottego

Resumo

O artigo propõe uma discussão acerca do chamado “patrimônio dissonante” (dissonant heritage), em particular o patrimônio ligado ao colonialismo italiano. Qualquer patrimônio, ainda que em estado silente, enquanto não mais envolvido no cotidiano e nos processos culturais do presente, é recebido, mesmo que inconscientemente, pelo público. Optamos por analisar dois estudos de caso de patrimônios definidos como “dissonantes”, para observarmos, na prática, as trajetórias político-culturais de manutenção dessa memória em um contexto em que a dissonância precisa ser identificada e centralizada. Os casos estudados dizem respeito ao monumento do explorador Vittorio Bottego e a coleção de máscaras faciais do antropólogo fascista Lidio Cipriani. Desvelar o papel principal que a ‘dissonância’ desempenha nas discussões sobre os diferentes usos da memória e do patrimônio significa reconhecer como essa dissonância abriu novas perspectivas no campo dos estudos sobre o patrimônio, no qual o conceito foi originalmente introduzido para discutir heranças que envolvem histórias discordantes e usos públicos de memórias e representações de passados contenciosos.

Downloads

Publicado

2023-03-01

Edição

Seção

Premiados do ENANCIB